An orange circle and a purple circle represent connectivity.

Poderíamos dizer que James Grashoff é tão Galês quanto possível. Você verá o dragão vermelho (da bandeira do País de Gales) e outras alusões em seu estudo, se você participar de uma de suas videochamada sobre software de transporte público.

Como gerente geral do Grupo Trapeze no Reino Unido, James está determinado a melhorar os serviços de ônibus e trens urbanos em todo o país e no continente.

“Uma das nossas operadoras em Londres tem cerca de 1.900-2.000 regras para a folha de pagamento, para 4.000 motoristas. Como isso é possível?” – ele questiona. “Qualquer coisa que ajude a administrar ou otimizar esse sistema com eficiência, que é o que o nosso sistema de alocação de tarefas faz, vai fazer uma diferença”.

Além disso, ele também é um entusiasta do futebol. Seu pai tinha uma cadeira cativa para os jogos do Cardiff City Football Club desde 1921, com 9 anos de idade, e ele cresceu como torcedor assíduo dos Bluebirds. “Eu assisti à minha primeira partida com o meu pai em 1968” – disse ele, agora dono da sua própria cadeira cativa. “Apesar de ter vivido longe da Inglaterra por muitos anos e ter voltado para casa no País de Gales há apenas 12 anos, foi um verdadeiro prazer para mim assistir aos jogos. Eu tenho a sorte de poder acompanhar o rugby do País de Gales em casa e no exterior, e cheguei a jogar na liga de rugby quando estava na faculdade antes de me mudar para o ‘Norte'”.

Ele também canta em um tradicional coral masculino, o Ystrad Mynach Male Choir, batizado graças à cidade de Ystrad Mynach (onde ele vive com a adorável Sra. Grashoff e Peggy, sua cachorra) a apenas 24 quilômetros de Cardiff. (No País de Gales, os corais musicais praticamente correm nas veias das pessoas).

Quando ele não está torcendo pelo time da casa ou entonando canções, James se concentra totalmente no trabalho que estiver fazendo. Isto significa conduzir uma estratégia de SaaS e gerenciar a equipe de desenvolvedores de software, gerentes de projetos e especialistas em vendas da Trapeze no Reino Unido.

“Nossa visão é de que vamos ter um sistema que cubra toda a Europa, tanto nas ferrovias quando nos ônibus, mudando o sistema para uma moderna plataforma em nuvem. É uma jornada e tanto para se participar. O envolvimento dos clientes é fundamental em tudo o que desenvolvemos e nossos clientes são a linha de frente e o centro do projeto inteiro”.

Tudo começou com a graduação em ciências políticas (que deixou as portas abertas para sua carreira), e seu primeiro emprego como aprendiz de gestão em um grande varejista em Bolton, Lancashire. Ele trabalhou por muitos anos com a gestão de empresas varejistas de roupas, com centenas de funcionários, e delegou com prazer tarefas como a determinação dos setores em que sutiãs e calcinhas tinham mais saída!

Ele passou para a venda e marketing de software há 20 anos, por acaso, atuando na maior parte desse tempo com software para empresas, escolas e universidades para melhorar os resultados dos alunos.

“Educação sempre foi importante para mim” – disse ele. “Já fui diretor de uma escola por muitos anos. Nossas escolas mantêm órgãos administrativos com voluntários da comunidade e profissionais responsáveis pela direção e pela estratégia da escola, bem como por indicar os diretores e coisas assim. Sou o presidente o órgão administrativo da escola de nível médio da minha filha adotiva, portanto, é importante fazer essas coisas bem-feitas”.

Por que mudar para o setor de transporte público? Ele se juntou à Trapeze em 2018, com a oportunidade de ser o gerente geral, exercer influência no software, do desenvolvimento às vendas e à instalação.

Ele gosta de ver os clientes envolvidos nas soluções. “Eu quero trabalhar com pessoas que gostam do produto durante todo o percurso. Sou apaixonado com os resultados e em torná-los tão bons quanto podem ser para o usuário final”.

Até o momento, 85% das rotas fixas de motoristas de ônibus no Reino Unido são cobertas pelo sistema Trapeze. Ele vê um futuro brilhante para a iniciativa da Modaxo na gestão de tarefas de tecnologia de ponta de motoristas, para ajudar a expandir a empresa para a área ferroviária, além dos ônibus e do metrô para transporte de passageiros em toda a Europa.

Outro ponto positivo é o estímulo do governo do Reino Unido para a proteção ao meio ambiente e a promoção do transporte público em massa. “Houve um investimento imenso no transporte público, associado ao transporte público e a toda a tecnologia que o acompanha” – disse ele.

“Com um sistema de transporte público realmente bom, juntamente com os congestionamentos em direção à cidade de Cardiff, por exemplo, onde está a Uber nesse cenário? Mais pessoas vão utilizar os serviços se forem melhores, os novos trens, os trens maiores, e os trens mais acessíveis para portadores de deficiências e ciclistas, à medida que as viagens ativas se tornarem mais importantes. É empolgante”.


Continuar explorando